Desejar e Fazer (Feliz Natal)

Vivemos mais um Natal. Disse o poeta que o Natal é quando um homem quiser, mas a verdade é que quando o calendário o proclama, o desejo de paz e comunhão amplia-se em cada um de nós.

Desejar é próprio da natureza humana e é um motor do futuro. O futuro que pouco a pouco se transformaráem presente e depois em passado. Por esta altura do ano somos muitas vezes confrontados com perguntas sobre os nossos planos para o ano que chegará ou sobre aquilo que antevemos que nele possa acontecer.

Na sociedade digital, com a aceleração brutal da informação e da ação, antecipar o futuro é um exercício cada vez mais difícil. A forma mais segura de contribuir para que aconteça algo próximo do que desejamos e prevemos é participarmos ativamente como protagonistas, porque o futuro, resultará daquilo que todos e cada um de nós fizermos acontecer.

Saber o que queremos para nós e para o mundo que nos rodeia é o princípio fundamental para podermos contribuir para um futuro melhor e para podermos agir tanto quanto possível em conformidade com as escolhas feitas.

Na noite de Ano Novo, muitos cumprirão a tradição de saborearem doze passas de uva associadas a doze desejos. Algumas serão naturalmente dedicadas aosanseios pessoais e ao que cada um mais quer para os que lhe estão mais próximos. Em relação às outras, permitam-me sugerir algumas intenções para o mundo, para a Europa e para Portugal. São três desejos intemporais, mas particularmente importantes nos dias que correm. 

Num tempo de desordem ordenada nas relações internacionais, desejo que todos saibamos cuidar dos bens supremos da paz e da liberdade. Desejo também que consigamos fazer da União Europeia um espaço de afirmação destes valores e que no nosso País seja possível consolidar o caminho de crescimento com rigor e sensibilidade social que tem vindo a ser percorrido.

São desejos fáceis de proclamar mas muito difíceis de concretizar. Se o fizermos de forma partilhada e solidária teremos mais hipóteses de os ver concretizados. 

Um Feliz Natal para Todos.
Comentários
Ver artigos anteriores...