Também estou...


No Twitter:


No Facebook:


Carlos Zorrinho's Facebook profile

No arquivo deste blogue:

05 2024
04 2024
03 2024
02 2024
01 2024
12 2023
11 2023
10 2023
09 2023
08 2023
07 2023
06 2023
05 2023
04 2023
03 2023
02 2023
01 2023
12 2022
11 2022
10 2022
09 2022
08 2022
07 2022
06 2022
05 2022
04 2022
03 2022
02 2022
01 2022
12 2021
11 2021
10 2021
09 2021
08 2021
07 2021
06 2021
05 2021
04 2021
03 2021
02 2021
01 2021
12 2020
11 2020
10 2020
09 2020
08 2020
07 2020
06 2020
05 2020
04 2020
03 2020
02 2020
01 2020
12 2019
11 2019
10 2019
09 2019
08 2019
07 2019
06 2019
05 2019
04 2019
03 2019
02 2019
01 2019
12 2018
11 2018
10 2018
09 2018
08 2018
07 2018
06 2018
05 2018
04 2018
03 2018
02 2018
01 2018
12 2017
11 2017
10 2017
09 2017
08 2017
07 2017
06 2017
05 2017
04 2017
03 2017
02 2017
01 2017
12 2016
11 2016
10 2016
09 2016
08 2016
07 2016
06 2016
05 2016
04 2016
03 2016
02 2016
01 2016
12 2015
11 2015
10 2015
09 2015
08 2015
07 2015
06 2015
05 2015
04 2015
03 2015
02 2015
01 2015
12 2014
11 2014
10 2014
09 2014
08 2014
07 2014
06 2014
05 2014
04 2014
03 2014
02 2014
01 2014
12 2013
11 2013
10 2013
09 2013
08 2013
07 2013
06 2013
05 2013
04 2013
03 2013
02 2013
01 2013
12 2012
11 2012
10 2012
09 2012
08 2012
07 2012
06 2012
05 2012
04 2012
03 2012
02 2012
01 2012
12 2011
11 2011
10 2011
09 2011
08 2011
07 2011
06 2011
05 2011
04 2011
03 2011
02 2011
01 2011
12 2010
11 2010
10 2010
09 2010
08 2010
07 2010
06 2010
05 2010
04 2010
03 2010
02 2010
01 2010
12 2009
11 2009
10 2009
09 2009
08 2009
07 2009
06 2009
05 2009
04 2009
03 2009
02 2009
01 2009
12 2008
11 2008
10 2008
09 2008
08 2008
07 2008
06 2008

A morte (prematura) dos Governos Civis

 No meio de uma tempestade quase perfeita, em que a pandemia ainda não partiu, as alterações climáticas se fazem sentir entre secas e enxurradas e os efeitos colaterais da guerra pressionam os preços e fomentam a escassez, dispormos de recursos significativos para investir, designadamente os recursos que resultam da finalização do programa Portugal 2020, do arranque do programa Portugal 2030 e da concretização do Programa de Recuperação e Resiliência, é uma vantagem que não podemos desperdiçar.

 

Num cenário de grande volatilidade são fundamentais um apurado planeamento e uma boa integração dos projetos, para otimizarmos as capacidades e competências que temos para a sua formulação e depois para a sua execução e exploração. Os tempos que se aproximam serão muito desafiantes para todas as entidades, públicas e privadas, que serão chamadas a pôr em prática as diversas agendas e programas.

 

É preciso reforçar o tecido capilar das relações de cooperação de proximidade,combinado com os diferentes patamares territoriais, designadamente as juntas de freguesia, os distritos, as regiões e o País no seu todo. A capacidade operativa desta malha de reposta integrada, implica obviamente que estejam abertos e ativos os canais de comunicação entre os diferentes níveis.

 

Os muitos contactos que tenho mantido com representantes dos diversos atores da grande “frente de obra” que todos temos que empreender para resistir e dar a volta por cima, dando-me consciência da dimensão do que está em jogo, alertaram-me também para algumas prioridades. É preciso dotar as diversas estruturas de gestão dos programas de mais especialistas com as capacidades técnicas adequadas para a analisar, acompanhar e impulsionar com rapidez os projetos e os investimentos e estabelecer rotinas de interação e de comunicação entre os diversos níveis, incluindo o poder central. 

 

Não será tarefa fácil. À mingua da Regionalização e com a morte prematura e demagógica dos Governos Civis, que durante décadas foram peças chave de concertação e acesso às estruturas centrais, é preciso encontrar estratégias alternativas.

 

Para vencer o grande desafio de resistência e desenvolvimento com que estamos confrontados, a melhor solução seria regionalizar depressa, mas não havendo sinais de que isso seja possível, é preciso criar com urgência estruturas de missão de integração estratégica no território, empoderando e reforçando as instituições existentes Não vale a pena chorar sobre leite derramado.  

Comentários
Ver artigos anteriores...