Poder Suave (soft power)

O mundo em que vivemos está em reconfiguraçãoacelerada, induzida pela revolução tecnológica nas duas áreas primordiais a partir das quais tudo se define – a informação e a energia.Nesta reconfiguração, a chave do poder está na capacidade de estabelecer as regras em que se decidirão as vitórias e as derrotas no mundo global emergente.

Em função das regras económicas, sociais e ambientais que prevalecerem, assim se definirá o sucesso ou insucesso das várias potências que competem pela liderança da nova globalização.

Para a União Europeia (UE) este período de transição é crítico. Por razões históricas conhecidasa UE é uma grande potência económica mas é frágil no poder duro (Hard Power) que é dado pela capacidade de fazer a guerra se necessário, e intimidar pelo poder bélico os seus adversários.   

Só agora começa a ganhar forma o embrião do que poderá vir a ser uma União da Segurança e da Defesa. Contudo, mesmo que esse movimento se consolide, não é razoável pensar que um projeto que se desenvolveu em torno dos valores da paz e da liberdade se procure afirmar no mundo global pela força da força”. 

A grande arma da UE é o poder suave que lhe é dado pela identidade, pela história, pela aceitação dadiferença e pela capacidade de trabalhar em rede e gerar sinergias positivas, quer no plano interno quer no plano externo. 
Os tratados sobre a arte da guerra estão cheios de exemplos de como se pode projetar o poder duro e conquistar vantagens à escala global. E com o poder suave? Poderá a UE ir à luta e vencer no desenho das regras da nova globalização?

Os acordos de associação e livre comércio são os instrumentos de poder suave que podem tornar a União Europeia uma referência vencedora. É através deles que cada vez mais produtos europeus com valor acrescentado pela designação de origem conquistam mercados. É também através deles que exigimostransparência, equidade, respeito pelos direitos humanos e pela preservação do planeta nos mercados a que nos ligamos.

Comércio livre não significa comércio livre de regras. É através da partilha e da troca de bens e serviços que a União Europeia pode aproveitar o encolhimento protecionista da potência até agora dominante (os EUA) e projetar o seu poder suave num quadro multilateral, tornando-a forte num quadro de paz e liberdade.

Ocasos recentes das parcerias com o Canadá, com o Japão, com a Austrália e com a Nova Zelândiaa modernização de múltiplos acordos em África e na América Latina e o impulso dado às negociações com o Mercosul, mostram que não obstante algumas tentações protecionistas, a UE está a aplicar com solidez a estratégia certa.

Comentários
Ver artigos anteriores...