Crato no Divã



 

Nuno Crato não escondeu ao que vinha. Anunciou que não deixaria pedra sobre pedra no sistema educativo português e está a cumprir a promessa. A única esperança que nos resta é que o normal funcionamento dos ciclos democráticos permita a sua remoção num momento em que o desastre ainda seja reversível.

 

Crato ganhou nas urnas a legitimidade para por em prática a sua operação de desmontagem do edifício educativo nacional. A educação como qualquer sistema complexo precisa de reformas, mas o reformador deve ter o distanciamento suficiente para distinguir o trigo do joio e ajustar o caminho para que os objectivos sejam atingidos.

 

Se o objectivo de Crato for apenas destruir a escola pública então tem sido de uma eficácia extraordinária. Não acredito no entanto no radicalismo do postulado anterior. O Ministro tem uma visão do sistema educativo que menoriza a escola pública, mas deve desejar intimamente demonstrar com resultados pedagógicos que o seu modelo tem vantagens.

 

Ora as últimas estatísticas comparativas internacionais (PISA) vieram demonstrar que o nosso sistema educativo fez enormes progressos na última década.

 

É evidente que um sistema pode sempre ser melhorado mas quando apresenta bons resultados e em crescendo de resposta mais é um crime ser implodido.

 

 Os resultados obtidos pelos alunos portugueses vieram demonstrar também que havendo bons e maus profissionais no ensino como em todas as outras áreas da sociedade, na globalidade os professores fizeram um excelente trabalho. A humilhação permanente que Crato inflige à classe docente só pode ter uma qualquer raiz psicanalítica que não me atrevo a imaginar.

 

Num outro patamar, é também notório o menosprezo com que o Ministro trata o Ensino Superior público e o Sistema Nacional de Investigação e Desenvolvimento. Um menosprezo arrogante.

 

Sempre tive e mantenho uma relação afável com Nuno Crato. Politicamente ele está a ser no entanto uma enorme desilusão. Ou talvez apenas uma revelação tardia da sua natureza e do seu pensamento mais profundo. 

 

 

 

      
Comentários
Ver artigos anteriores...