Também estou...


No Twitter:


No Facebook:


Carlos Zorrinho's Facebook profile

No arquivo deste blogue:

02 2024
01 2024
12 2023
11 2023
10 2023
09 2023
08 2023
07 2023
06 2023
05 2023
04 2023
03 2023
02 2023
01 2023
12 2022
11 2022
10 2022
09 2022
08 2022
07 2022
06 2022
05 2022
04 2022
03 2022
02 2022
01 2022
12 2021
11 2021
10 2021
09 2021
08 2021
07 2021
06 2021
05 2021
04 2021
03 2021
02 2021
01 2021
12 2020
11 2020
10 2020
09 2020
08 2020
07 2020
06 2020
05 2020
04 2020
03 2020
02 2020
01 2020
12 2019
11 2019
10 2019
09 2019
08 2019
07 2019
06 2019
05 2019
04 2019
03 2019
02 2019
01 2019
12 2018
11 2018
10 2018
09 2018
08 2018
07 2018
06 2018
05 2018
04 2018
03 2018
02 2018
01 2018
12 2017
11 2017
10 2017
09 2017
08 2017
07 2017
06 2017
05 2017
04 2017
03 2017
02 2017
01 2017
12 2016
11 2016
10 2016
09 2016
08 2016
07 2016
06 2016
05 2016
04 2016
03 2016
02 2016
01 2016
12 2015
11 2015
10 2015
09 2015
08 2015
07 2015
06 2015
05 2015
04 2015
03 2015
02 2015
01 2015
12 2014
11 2014
10 2014
09 2014
08 2014
07 2014
06 2014
05 2014
04 2014
03 2014
02 2014
01 2014
12 2013
11 2013
10 2013
09 2013
08 2013
07 2013
06 2013
05 2013
04 2013
03 2013
02 2013
01 2013
12 2012
11 2012
10 2012
09 2012
08 2012
07 2012
06 2012
05 2012
04 2012
03 2012
02 2012
01 2012
12 2011
11 2011
10 2011
09 2011
08 2011
07 2011
06 2011
05 2011
04 2011
03 2011
02 2011
01 2011
12 2010
11 2010
10 2010
09 2010
08 2010
07 2010
06 2010
05 2010
04 2010
03 2010
02 2010
01 2010
12 2009
11 2009
10 2009
09 2009
08 2009
07 2009
06 2009
05 2009
04 2009
03 2009
02 2009
01 2009
12 2008
11 2008
10 2008
09 2008
08 2008
07 2008
06 2008

Censura (Quem não quer ser lobo não lhe veste a pele)



Há pouco mais de um ano uma moção de censura alegremente apresentada pelo Bloco de Esquerda inaugurou o processo que escancarou as portas do Governo à maioria que hoje diariamente flagela muitos dos seus eleitores.


Passado um ano, num momento muito difícil para o Governo e quando o PS tenta incluir na agenda da governação a defesa dos interesses nacionais e europeus na próxima cimeira Europeia foi o PCP que tirou da cartola a sua censura.


São direitos regimentais e democráticos absolutamente legítimos. Pena que sejam instrumentos cada vez mais deflagrados para destruir as pontes entre a esquerda deixando incólume e confortável a maioria de direita a que apenas teoricamente se destinam.


Todas as pessoas do centro e da esquerda com sensibilidade social censuram este governo pela forma como não tem sabido associar a consolidação das contas públicas à preservação da matriz do Estado Social e ao impulso à economia de nova geração criadora de empregos sofisticados e qualificados.


Censurar o governo é confrontá-lo com alternativas viáveis e melhores. Não pode deixar de causar admiração que Jerónimo de Sousa na conferência de imprensa em que justificou a moção tenha atacado muito mais o PS do que a coligação CDS / PSD que está aparentemente sobre censura.


Poderia escrever aqui que o PCP se enganou no adversário. Estaria contudo a ser cínico. Eu sei que não se enganou. A moção de censura que dia 25 se discute no Parlamento é uma ultrapassagem ao Bloco de Esquerda e uma tentativa de criar divisões no PS.


Uma tentativa votada ao fracasso. Um fracasso com efeitos colaterais. É uma cortina de fumo para a maioria se eximir das suas responsabilidades e tentar fazer esquecer que aprovou uma resolução exigente para enquadrar a posição portuguesa na evolução que a Europa sofrerá nas próximas semanas.


Cabe a cada um de nós evitar o contágio da fumaça. Esta moção de censura do PCP é só fumaça mas a realidade precisa de muito mais do que isso. Precisa de factos, de ações e de medidas concretas. Precisa de quem se bata por elas com determinação. Precisa de quem coloque o interesse nacional acima do interesse partidário.

O PCP parece ter lido demasiadas vezes a história do Pedro e do Lobo. Mas quem não quer ser lobo não lhe veste a pele.

Comentários
Ver artigos anteriores...