Visto de Casa 31/03


O COVID19 tem-se vindo a alojar nas células de alguns de nós, por enquanto felizmente ainda uma pequena minoria, mas conseguiu travar uma parte significativa da nossa economia, alterar as nossas rotinas sociais e tomar de assalto os nossos cérebros.

É aquilo a que em linguagem simples se pode chamar um vírus de nova geração, mas não deixa de ser um vírus, ou seja um parasita intracelular, microscópico, sem metabolismo próprio e que só se consegue reproduzir dentro de uma célula hospedeira, que passa a comandar através do seu material genético.

Dito isto, e face às suas características ainda não dominadas, nem pelo nosso sistema imunológico nem pela existência de uma vacina ou de um tratamento eficaz, o dito vírus ganhou uma preponderância brutal no nosso pensamento e no nosso comportamento.

Confinou-nos e distanciou-nos. Cancelou a vida em comunidade. Tornou-se “viral”. A sua representação está em biliões de cartazes, imagens, gráficos e ilustrações. Pululam adjetivos para o classificar, alguns deles atribuindo-lhe capacidades cognitivas inesperadas como a inteligência, a esperteza ou amalvadez. Só falta mesmo que alguém lhe atribua consciência, embora não faltem metáforas que o associam a uma ação mais ou menos consciente de purificação ou de destruição da humanidade.  

“Humanizar” o vírus ajuda a explicar e a comunicar a pandemia, mas é preciso muito cuidado para não passar da linha da pedagogia para o terrível território do medo, onde nenhuma batalha se vence. Um vírus é um vírus.  O fundamental é que não se aloje em nenhuma das nossas células. Evitemos que contamineos nossos neurónios. Já basta o que basta.     

O comportamento da pandemia em Portugal tem vindo a evoluir de acordo com o que estava previsto. Ontem a percentagem de novos infetados cresceu 7,5%descendo significativamente em relação aos dias anteriores, enquanto o número de internados e de hospitalizados em cuidados intensivos cresceu perto de20%. É um comportamento alinhado com as características do COVID19 que ao demorar 7 a 14 dias a manifestar-se, quando se manifestaporque porvezes é assintomático, não perde uma oportunidade de se multiplicar pelo contágio e faz com que o impacto das medidas sejam diferidas no tempo.

Estes resultados reforçam a mensagem de que devemos continuar a ser rigorosos no confinamento e no distanciamento social, a proteger os que têm que estar na linha da frente da batalha, em particular os profissionais de saúde e a ter uma atenção especial com os mais idosos e em particular com os lares. São motivos de esperança e de reforço da nossa vontade de vencer. Tenhamos as boas práticas na cabeça, mas o vírus não. Até amanhã com muita saúde para todos.




Comentários
Ver artigos anteriores...