Também estou...


No Twitter:


No Facebook:


Carlos Zorrinho's Facebook profile

No arquivo deste blogue:

05 2024
04 2024
03 2024
02 2024
01 2024
12 2023
11 2023
10 2023
09 2023
08 2023
07 2023
06 2023
05 2023
04 2023
03 2023
02 2023
01 2023
12 2022
11 2022
10 2022
09 2022
08 2022
07 2022
06 2022
05 2022
04 2022
03 2022
02 2022
01 2022
12 2021
11 2021
10 2021
09 2021
08 2021
07 2021
06 2021
05 2021
04 2021
03 2021
02 2021
01 2021
12 2020
11 2020
10 2020
09 2020
08 2020
07 2020
06 2020
05 2020
04 2020
03 2020
02 2020
01 2020
12 2019
11 2019
10 2019
09 2019
08 2019
07 2019
06 2019
05 2019
04 2019
03 2019
02 2019
01 2019
12 2018
11 2018
10 2018
09 2018
08 2018
07 2018
06 2018
05 2018
04 2018
03 2018
02 2018
01 2018
12 2017
11 2017
10 2017
09 2017
08 2017
07 2017
06 2017
05 2017
04 2017
03 2017
02 2017
01 2017
12 2016
11 2016
10 2016
09 2016
08 2016
07 2016
06 2016
05 2016
04 2016
03 2016
02 2016
01 2016
12 2015
11 2015
10 2015
09 2015
08 2015
07 2015
06 2015
05 2015
04 2015
03 2015
02 2015
01 2015
12 2014
11 2014
10 2014
09 2014
08 2014
07 2014
06 2014
05 2014
04 2014
03 2014
02 2014
01 2014
12 2013
11 2013
10 2013
09 2013
08 2013
07 2013
06 2013
05 2013
04 2013
03 2013
02 2013
01 2013
12 2012
11 2012
10 2012
09 2012
08 2012
07 2012
06 2012
05 2012
04 2012
03 2012
02 2012
01 2012
12 2011
11 2011
10 2011
09 2011
08 2011
07 2011
06 2011
05 2011
04 2011
03 2011
02 2011
01 2011
12 2010
11 2010
10 2010
09 2010
08 2010
07 2010
06 2010
05 2010
04 2010
03 2010
02 2010
01 2010
12 2009
11 2009
10 2009
09 2009
08 2009
07 2009
06 2009
05 2009
04 2009
03 2009
02 2009
01 2009
12 2008
11 2008
10 2008
09 2008
08 2008
07 2008
06 2008

Portugal - Ambição 2020 (Publicado no jornal @publico de 11/02/20)

No quadro da nova arquitectura de governação económica da União Europeia (UE), Portugal terá que aprovar durante o mês de Abril o seu Plano Nacional de Reformas (PNR) para o horizonte de 2020. Este Plano é hoje mais importante que nunca. Funciona em conjunto com o Plano de Estabilidade e Convergência (PEC) e com o anunciado Pacto de Competitividade, como o tripé programático para a resposta de Portugal aos desafios económicos e sociais que enfrenta.

O empenho de Portugal na Estratégia Europeia para o Crescimento e o Emprego não é de hoje. Orgulha-nos que na Presidência Portuguesa da UE tenha sido aprovada a Estratégia de Lisboa em 2000. Orgulha-nos o trabalho que fizemos de implementação dessa estratégia e em particular a aposta no conhecimento, tecnologia e inovação através do Plano Tecnológico. Esse trabalho aumenta hoje a nossa responsabilidade. Portugal foi nos últimos cinco anos o País da União Europeia que mais progressos relativos fizeram no European Inovation Scoreboard (EIS 2010). Esse progresso não está ainda suficientemente reflectido na nossa economia. Mas temos razão para estar confiantes. O estudo realizado pela Agência de Inovação sobre valorização de resultados de Investigação e Desenvolvimento (ID) diz-nos que as 394 empresas com ID que responderam prevêem lançar nos próximos 3 anos 770 novos produtos, mais de 90% dos quais com ambição de exportação para o mercado global.

Estes dados mostram-nos que os objectivos de aumentar para 40% o peso das exportações no PIB e de substituir importações, aliado à optimização e racionalização da despesa pública, são possíveis e dão-nos uma forte perspectiva de consolidação, permitindo-nos ser ambiciosos na formulação do Programa Nacional de Reformas.

A nossa Visão para concretizar em Portugal a ambição duma sociedade “inteligente, sustentável e inclusiva” assenta em 3 pilares chave. Daremos prioridade absoluta á consolidação estrutural dos equilíbrios macroeconómicos, como condição de competitividade e de afirmação no contexto europeu e mundial da economia portuguesa. Apostaremos num crescimento sustentável firme, baseado em apostas de liderança sectorial e em estratégias de eficiência colectiva, dando primazia ao alinhamento da política de rendimentos com a produtividade e com o aumento do valor incorporado naquilo que produzimos. Afirmaremos a vontade clara de convergir nos indicadores foco da Estratégia UE2020, com as metas de referência da UE de forma a anular o diferencial de competências e contexto que sucessivas gerações de portugueses têm enfrentado desde a adesão de Portugal à União.

Muitos dirão que estas linhas força são demasiado ambiciosas no quadro difícil em que vivemos. Nas linhas de orientação do PNR e na sua versão final mostraremos que não o são. É apenas necessário não desfalecer e prosseguir as apostas de sucesso nas energias renováveis, na agenda digital, na reforma da segurança social, na inovação ou na melhoria dos resultados na aprendizagem cujos resultados são já fortemente convergentes e dar um novo foco à modernização em curso na administração pública, na saúde ou mundo laboral ou na justiça, criando contextos de melhores prestações e optimizando a afectação de recursos.


Em todas as áreas temos boas práticas que se disseminadas e multiplicadas nos conduzirão aos resultados que ambicionamos. Assumimos uma opção pioneira no quadro da globalização sustentável. Acreditamos que é determinante para a Europa e para o mundo a criação dum quadro sustentável de desenvolvimento e apostamos nesse caminho para quebrar etapas e posicionar competitivamente o nosso País. Queremos sair do fim do pelotão da actual era industrial para a cabeça do pelotão da nova era industrial. Apostamos na inovação limpa, na diversificação de produtos e mercados e no aproveitamento exaustivo dos recursos endógenos.

É esta perspectiva que define os objectivos que estabelecemos, na Investigação e Desenvolvimento (ID) (3%) na inovação (Continuar lideres de crescimento) no ensino (10% de abandono escolar e 40% dos jovens entre os 24 e os 34 anos com formação superior), energia (31-20-20 no incremento das renováveis, na eficiência energética e na redução de emissões), Emprego (75% de activos empregados) ou da pobreza (- 200 000 pobres).

Estes objectivos são difíceis mas são possíveis. O nosso PNR será um documento focado e assertivo que servirá para mobilizar a sociedade portuguesa para garantir a consolidação macroeconómica e o cumprimento do PEC. Identificar estrangulamentos e fazer as reformas necessárias para os enfrentar. Definir metas e concretizar as medidas para as atingir.

Não vamos começar do zero. As medidas emblemáticas já estão transformadas em programas nacionais de acção (energia e agenda digital). A iniciativa Europeia “Inovation Union” deu origem a uma parceria com a Agência de Inovação (ADI) e a Agência para a Competitividade (COTEC) que têm realizado debates temáticos por todo o País com a participação de centenas de representantes de todos os agentes do sistema, dinamizando parcerias para a inovação e identificando medidas transversais para criar um contexto mais favorável ao seu impacto na economia.

Ouvimos e vamos continuar a ouvir os territórios, os parceiros e os agentes da sociedade civil. Estamos a construir um caminho ao mesmo tempo que vamos caminhando. Vem aí o primeiro “semestre europeu”. Acreditamos que nele se criarão as bases duma década de Portugal. Uma década de progresso inteligente, verde e inclusivo.
Comentários
Ver artigos anteriores...