Visto de Casa (25/04)

Depois de quarenta dias de confinamento chegou o dia da liberdade. Não o ansiado dia da vitória contra o vírus, mas o  dia da memória da vitória contra a ditadura. 

“Onde é que você estava no 25 de abril?”. Esta pergunta imortalizou o jornalista Baptista Bastos, entretanto falecido. Hoje assinala-se o 25 de abril de 1974. Muitos dos que me leem ainda não eram nascidos. Outros eram bebés ou crianças.  

Para a minha geração, que estava a despertar para a adolescência em 1974, a alvorada da democracia e a sua posterior consolidação, com a aprovação de uma constituição plural e a realização de eleições livres, foi o momento político e social mais marcante das nossas vidas.

Daqui a uns anos quando alguém nos perguntar onde estávamos no 25 de abril, a resposta será dupla. No de 1974 fomos para a rua celebrar a liberdade, no de 2020 ficámos em casa a defendê-la.

revolução libertadora de abril de 1974 é certamente avaliada de forma diferente por cada um de nós,usando a pluralidade que ela nos deu, mas na minha geração nenhum outro acontecimento em Portugal marcou tanta gente e de forma tão profunda como o dia que hoje assinalamos.  

Onde é que eu estava no 25 de abril? Tinha 14 anos e estava em Luanda, Angola, onde o meu pai, militar de carreira cumpria mais uma Comissão de Serviço. Pela hora de almoço disse-nos que chegavam sinais de um golpe das forças mais à direita do regime, chefiado por Kaúlza de Arriaga. Estava preocupado e eu sem ter grande formação política à data também fiquei. Ao fim da tarde, quando voltou vinha mais feliz. Era o despontar da democracia

Depois disso tenho vivido uma vida intensa, que talvez ainda viesse a dar um livro, não se desse o caso de os livros estarem a passar de moda. A minha vida cívica éfilha de abril. 

vocês? Onde estavam no 25 de abril? Onde estariam se não tivesse havido o 25 de abril? Num dia queacordou lazarentomas não impedirá que muito se juntem para cantar a Vila Morena que nos embalou, as circunstâncias apelarão a uma comemoração interiorNaquele dia, a devolução da liberdade bifurcou o futuro e mudou o trilho. Pensem nisso e na sua analogia com o que agora nos está a acontecer.

Onde estamos em 25 de abril de 2020? No meio de umturbilhão onde se começam a abrir veredas de esperança e de escolha. Teremos que fazer opções. Passaremos, com dúvidas, polémicas, lutas e tensões, para um outro patamar e para outros referenciais nas nossas vidas.

As escolhas que fizermos agora vão determinar a resposta que daremos no futuro, quando nos perguntarem onde estávamos no 25 de abril de 2020. 25 de abril sempre, embora amanhã seja 26. Muita saúde para todos.  

Comentários
Ver artigos anteriores...