Rio 2016 - O Elogio da Diferença




Chegaram ao fim as trigésimas -primeiras Olimpíadas da era moderna, realizadas na cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Na perspetiva em que as pude seguir, com os filtros normais da comunicação que fui recebendo, constituíram um inegável sucesso e uma demonstração de diversidade e de identidade que foram muito saudáveis para o futuro do mundo.

Daqui a quatro anos, em Tóquio 2020 teremos certamente umas Olimpíadas com uma organização milimétrica, com falhas mínimas, onde se espera seja adotada uma nova geração tecnológica, designadamente as redes de comunicação de quinta geração na sua plenitude.

Os jogos japoneses serão o reflexo natural de um povo com uma cultura de racionalização e otimização muito marcadas, tal como os jogos brasileiros refletiram a irreverência da latinidade temperada por um caldo de culturas miscigenadas, tão bem representadas nas alegorias de abertura e encerramento.  

Um dos riscos da globalização é apagar a riqueza da diferença e o orgulho na especificidade de cada região e de cada povo e conduzir à prevalência dos estereótipos impostos pelos padrões da comunicação dominante.

Por razões que não tiveram a ver com as Olimpíadas, tive a oportunidade de viajar durante uma semana pelo Brasil no mesmo período em que o Rio 2016 estava a arrancar.

Deparei-me no inicio com um enorme desencanto, não apenas pela situação económica e política difícil que o Brasil atravessa, mas também pela sensação, agitada pelas críticas nalguma imprensa internacional, de que o Brasil não estaria à altura de organizar com sucesso o maior evento desportivo do planeta. Combati essa ideia junto das pessoas com que falava, explicando a enorme oportunidade de afirmação pela diferença que os jogos constituíam.

Há medida que os dias iam passando a atitude ia mudando. Muitos brasileiros começaram a vestir a camisola do País e a camisola dos jogos. Algumas medalhas ajudaram a reforçar a confiança. O ouro no Futebol frente à Alemanha fez transbordar o orgulho, embora eu já lá não estivesse para poder testemunhar ao vivo esse momento alto.

As Olimpíadas do Rio2016 contêm uma lição determinante. Não há nem pode haver uma única forma mecânica e oficial de fazer as coisas acontecerem. Cada povo deve ter orgulho da sua cultura e usá-la para se diferenciar e vencer. O Brasil conseguiu à sua maneira. Merece o nosso elogio.

 




Comentários
Ver artigos anteriores...