Também estou...


No Twitter:


No Facebook:


Carlos Zorrinho's Facebook profile

No arquivo deste blogue:

O Poder da Palavra

Há alguns dias, após publicar nas redes sociais um vídeo de uma intervenção que fiz a propósito do início da Presidência Eslovena e das suas prioridades para o desenvolvimento e a cooperação global, um leitor confrontou-me com uma questão difícil. Perguntou-me se eu achava que aquela minha declaração tinha mudado alguma coisa a realidade? Em particular a realidade das pessoas comuns e que não seguem ostemas que abordei?

 

A pergunta deu lugar um pequeno diálogo que não vou reproduzir aqui, mas que me motivou a refletir um pouco mais sobre a questão neste espaço. Ao longo da minha vida já desempenhei funções profissionais de diversa índole. As mais marcantes foram as de docência e investigação enquanto universitário, representação política no plano parlamentar concelhio, nacional e europeu e representação política no plano executivo regional e nacional. 

 

De formas diferentes, o meu principal instrumento de trabalho foi sempre a palavra. A palavra com que transmiti conhecimentos ou procurei motivar aprendizagens.  A palavra com que defendi programas e compromissos nas diversas assembleias. A palavra com que motivei equipas para concretizar programas de ação e medidas políticas. A palavra com que em cada momento tentei ser fiel ao meu pensamento. A palavra alheia, que escutei ou absorvi nas mais diversas circunstâncias, e foi construindo em mim os significados que atribuí em cada momento à realidade com que tinha que lidar, determinando o meu comportamento e a minha ação.

 

A palavra gera significados em quem a escuta e estes determinam em larga medida as escolhas e as ações de cada um. Diz o povo que algumas palavras têm a característica de entraram por um ouvido e saírem por outro.  Mesmo estas palavras fugidias, no seu trânsito efémero despertam a consciência da sua vacuidade para quem as ouve. 

 

Muitas palavras entranham-se na vida, algumas nunca abandonando quem as profereaninhando-se na memória e nas memórias. Não é por acaso que os mais experientes nos recomendam pensar bem no que se dizemos, quando através da palavra queremostransmitir e transformar.

 

Voltemos ao princípio. Palavras leva-as o vento, mas é com a palavra que vamos moldando a vida e dando sentido às nossas escolhas e às interações que fazemos. São muitas as métricas que podemos usar para medir a influência da palavra na realidade e que há tantas realidades quantas as formas de olhar de quem fala e de quem escuta. Por isso o melhor é irmos falando. A palavra é poder.  

 

Comentários
Ver artigos anteriores...