Idealistas e Pragmáticos

O mundo em aceleração coloca-nos cada vez mais desafios, com texturas diferentes e exigindo respostas diferentes. A ética e os valores são cada vez mais importantespara lidar com a mudança, ao mesmo tempo que as ideologias que os traduzem em políticas de transformação se vão tornando mais desatualizadas.

A solução não é, como alguns tentam de novo proclamar, o fim das ideologias e muito menos o fim da política. A política e as ideologias são mais importantes que nunca, mas a reconfiguração das visões agregadoras tem que ser feita em movimento, fazendo acontecer, mobilizando as pessoas, gerando esperança, recuperando a alegria de viver em comunidade e trabalhar para o bem comum.

Enquanto as ideologias estiverem no estaleiro para se adaptarem aos desafios dos tempos modernos, em particular aos desafios gerados pela mudança tecnológica, precisamos de andaimes fortes. Esses apoios necessários são os ideais e a capacidade de concretizar políticas que os concretizem e sejam facilmente fruídas e percepcionadas pelos cidadãos.

Tendo em conta a transição antes enunciada, enquanto trabalhamos na modernização das ideologias temos que apostanuma combinação ousada entre idealismo e pragmatismo. 

Idealismo e pragmatismo não vivem bem um sem o outro numa sociedade decente. Os ideais sem ação são uma espécie de analgésico contra a dor do aumento das desigualdades, das injustiças, dos atentados à liberdade. Em contrapartida o pragmatismo sem ideais leva facilmente à instrumentalização da vontade pelos mais fortes e egoístas.

Ligar idealismo e pragmatismo exige método. É cada vez mais importante fomentar redes de cooperação aos mais diversos níveis, sectoriais ou territoriais para envolver o maior número possível de pessoas no desenho do seu futuro imediato e das dos quadros ideológicos do futuro próximo.

A abordagem que partilho neste texto resulta da opção progressista que sempre professei. Acredito que quanto mais pessoas forem protagonistas dum processo de transformação que acontecerá sempre, por muito que os conservadores se empenhem em minimizá-lo, mais provável será que esse processo tenha como linhas fortes a preservação da dignidade e da sustentabilidade.

Dignidade das pessoas e sustentabilidade do planeta são dois ideais simples mas potentes, pelos quais me procuro guiar diariamente, agindo em função deles com o maior pragmatismo possível. Partilho a receita porque acredito nela.

Comentários
Ver artigos anteriores...