AECI em Portugal - conceito

2009 é o Ano Europeu da Criatividade e da Inovação (AECI) por iniciativa da Comissão Europeia e decisão do Parlamento Europeu e do Conselho e será assinalado através dum programa comum e de programas nacionais. Num tempo de crise global, assinalar e comemorar o AECI não pode deixar de ser um pilar da resposta europeia a essa crise.

O Ano Europeu da Criatividade e da Inovação (AECI) em Portugal, dinamizado em parceria com a representação em Portugal da Comissão Europeia, tem como prioridades dar visibilidade a outras formas de olhar e de fazer, adaptadas aos desafios actuais, e desenvolver o espírito e as práticas empreendedoras, para converter criatividade e inovação em crescimento e emprego.

Com estas prioridades, que constituem a referência para a coordenação e a dinamização das diferentes iniciativas e eventos, o AECI em Portugal será o resultado da dinâmica da sociedade portuguesa e dos seus actores. O Site do ano www.criar2009.gov.pt foi concebido como um ponto de encontro, aberto à participação pública e no qual os diversos actores podem partilhar experiências e construir o programa de eventos e iniciativas.

As prioridades definidas declinam-se em oito verbos de referência – aprender, cooperar, viver, inventar, comunicar, imaginar, criar e realizar. São ingredientes múltiplos duma mesma ideia. Só com talento, resultante duma combinação ousada de criatividade e inovação, poderemos enfrentar e vencer as dificuldades que atravessamos.

Segundo o Ranking Europeu de Inovação (EIS 2008) recentemente divulgado em Bruxelas, Portugal está a convergir fortemente com a média da União Europeia no que diz respeito aos indicadores que medem a inovação científica e empresarial. Fomos mesmo o quinto país que progrediu mais depressa no contexto da UE a 27 e subimos de escalão, passando do grupo dos países em recuperação para o grupo dos países moderadamente inovadores, sendo os mais rápidos deste grupo.

Esta convergência antecipa um enorme potencial de convergência económica e social. Nada acontecerá no entanto por acaso. Precisamos duma forte mobilização dos portugueses para aprenderem ao longo da vida, criarem redes de cooperação, valorizarem a qualidade de vida e a sustentabilidade territorial, apostarem na investigação científica e na disseminação dos saberes, desenvolverem padrões de comunicação globalmente reconhecidos, imaginarem novos produtos, novos processos e novas soluções, explorarem a sua capacidade criativa e arriscarem na realização e na concretização de projectos geradores de riqueza.

Num mundo em mudança disruptiva não há receitas para vencer. O AECI em Portugal aposta na mobilização para uma nova atitude. Não partimos do zero, como demonstram os estudos internacionais e os resultados obtidos com a adesão da sociedade portuguesa à agenda do Plano Tecnológico. Mas temos que estar preparados para desafios cada vez maiores. Desafios que venceremos com criatividade e inovação.
Comentários
Ver artigos anteriores...