Também estou...


No Twitter:


No Facebook:


Carlos Zorrinho's Facebook profile

No arquivo deste blogue:

05 2024
04 2024
03 2024
02 2024
01 2024
12 2023
11 2023
10 2023
09 2023
08 2023
07 2023
06 2023
05 2023
04 2023
03 2023
02 2023
01 2023
12 2022
11 2022
10 2022
09 2022
08 2022
07 2022
06 2022
05 2022
04 2022
03 2022
02 2022
01 2022
12 2021
11 2021
10 2021
09 2021
08 2021
07 2021
06 2021
05 2021
04 2021
03 2021
02 2021
01 2021
12 2020
11 2020
10 2020
09 2020
08 2020
07 2020
06 2020
05 2020
04 2020
03 2020
02 2020
01 2020
12 2019
11 2019
10 2019
09 2019
08 2019
07 2019
06 2019
05 2019
04 2019
03 2019
02 2019
01 2019
12 2018
11 2018
10 2018
09 2018
08 2018
07 2018
06 2018
05 2018
04 2018
03 2018
02 2018
01 2018
12 2017
11 2017
10 2017
09 2017
08 2017
07 2017
06 2017
05 2017
04 2017
03 2017
02 2017
01 2017
12 2016
11 2016
10 2016
09 2016
08 2016
07 2016
06 2016
05 2016
04 2016
03 2016
02 2016
01 2016
12 2015
11 2015
10 2015
09 2015
08 2015
07 2015
06 2015
05 2015
04 2015
03 2015
02 2015
01 2015
12 2014
11 2014
10 2014
09 2014
08 2014
07 2014
06 2014
05 2014
04 2014
03 2014
02 2014
01 2014
12 2013
11 2013
10 2013
09 2013
08 2013
07 2013
06 2013
05 2013
04 2013
03 2013
02 2013
01 2013
12 2012
11 2012
10 2012
09 2012
08 2012
07 2012
06 2012
05 2012
04 2012
03 2012
02 2012
01 2012
12 2011
11 2011
10 2011
09 2011
08 2011
07 2011
06 2011
05 2011
04 2011
03 2011
02 2011
01 2011
12 2010
11 2010
10 2010
09 2010
08 2010
07 2010
06 2010
05 2010
04 2010
03 2010
02 2010
01 2010
12 2009
11 2009
10 2009
09 2009
08 2009
07 2009
06 2009
05 2009
04 2009
03 2009
02 2009
01 2009
12 2008
11 2008
10 2008
09 2008
08 2008
07 2008
06 2008

Visto de Fora (O Coro Misto dos Velhos do Restelo)

Mesmo nos momentos de combate mais intenso como aquele que vivemos hoje na política portuguesa, é estimulante ter a oportunidade de algum distanciamento e de partilhar perspectivas com olhares menos envolvidos no quotidiano do debate, sobretudo quando esse debate rasteja no jogo sujo da insinuação e da maledicência.

Por convite da organização tive o gasto prazer de participar no final de Agosto no Fórum Estratégico de Bled (Eslovénia), um espaço de referência (e uma terra calma, acolhedora e com paisagens de sonho) onde anualmente se juntam líderes políticos e económicos de todo o mundo para discutir os temas da actualidade. Este ano a discussão centrou-se na “política da crise económica e na redefinição de cenários económicos e geopolíticos para a Europa e a Eurásia”.

Para além dos profundos debates que aí ocorreram, foi particularmente gratificante para mim receber de muitos participantes genuínas felicitações pelo trabalho de Portugal no plano da política internacional, pela sua surpreendente resposta à crise e por ter sido um dos primeiros Países da OCDE a sair da recessão.

Muitos comentários positivos foram feitos também a projectos portugueses hoje internacionalmente reconhecidos, designadamente à nossa aposta nas energias renováveis e ao revolucionário programa de proporcionar aos professores e os alunos um computador portátil com acesso à internet, a preço reduzido.

Duas intervenções foram para mim particularmente marcantes. O Ministro dos Negócios Estrangeiros da Turquia sublinhou que as condições para a paz e o progresso são a tolerância e a convivência entre culturas e a interdependência e a cooperação entre as economias. Em complemento o Presidente Esloveno referiu que essa interdependência, em particular no que diz respeito à energia, é tão importante para a Europa civilizada do século XXI como o foi a questão da rota da seda e das especiarias no século XVI.

No século XV e XVI Portugal, mesmo com a ladainha dos velhos do Restelo como música de fundo, teve um papel fundamental na emergência duma nova economia de troca, promotora do desenvolvimento científico, económico e social.

No século XXI, o coro dos velhos do Restelo permanece activo e com repertório renovado (hoje com o progresso da igualdade de género é um coro misto e com importantes vozes femininas) mas Portugal está de novo na rota das descobertas, dando novos mundos aos mundos, cruzando culturas e saberes e deixando marcas muito superiores ao seu peso demográfico, político e económico.

Num mundo multipolar os pequenos Países têm um papel acrescido de moderação e agregação. A Eslovénia desenvolve um trabalho promissor de ligação entre a UE, os Países dos Balcãs que ainda não a integram e os Países que integram o cinto de separação com a Rússia e agonizam entre os dois pólos de atracção. Portugal faz o mesmo nas ligações da UE a África e à América Latina entre outras linhas de política externa. Tudo isto se faz com credibilidade e ambição interna e externa. Querem os portugueses voltar a fechar-se sobre si próprios como tanta vezes fizeram na história com tristes resultados? Visto de fora esse cenário ainda me pareceu menos desejável!
Comentários
Ver artigos anteriores...