Clima (pouco) ameno

 Vivemos um janeiro ainda mais invernoso do que é normal. O frio, a chuva e a doença têm-se vindo a entranhar em todo o País e não há quem não aspire a uma rápida Primavera, mais solarenga e mais saudável.

 

Nas minhas experiências concretas de vida em comunidade, nestes tempos de pandemia, tenho vindo a perder a esperança de que as dificuldades sejam, como alguns defenderam e outros ainda defendem, um sofrimento redentor que nos dará uma nova consciência das coisas de uma forma global. Pode ser que esteja enganado e ficarei muito satisfeito se estiver, mas não é por esse caminho que me conduz a intuição

 

Num recente debate no Parlamento Europeu defendi que com tantas pessoas a sofrer, ser pragmático é o primeiro dos valores. Uma condição de humanismo e de prevenção do populismo. Em conformidade, mesmo não deixando apagar totalmente a chama de uma possível reinvenção global pós-pandémica da humanidade, defendo que devemos começar por aproveitar todos os fragmentos de consciencialização que nos permitam corrigir as coisas e melhor a vida das pessoas, tornando a sociedade mais justa.

 

Um desses fragmentos, é tomarmos de vez consciência de que, exceto para atração turística, que quando a oferta for de qualidade pode reivindicar a amenidade do nosso clima, para a generalidade aos portugueses e das portuguesas o nosso clima não é ameno e há muita gente a passar um frio que não deveria no inverno, um calor difícil de aguentar no verão e a sustentar contas de energia, que não obstante as tarifas sociais, são muitas vezes pagas em prejuízo de outros bens básicos para uma vida digna.

 

Os mais recentes programas quadro para a coesão têm reservado verbas assinaláveis para a eficiência energética e incluem sistemas de apoio à melhoria na construção e sobretudo na requalificação do património edificado. Muito foi feito, mas perante os que se passou nos ultimas semanas ficou ainda mais clara que os regulamentos deixaram de fora os mais pobres e vulneráveis, que habitam muitas vezes em casas muito degradadas e com contratos de arrendamento que nem permitem ao rendeiro nem ao arrendatário sustentar a obra necessária.  

 

Num momento em que se desenham e lançam os novos programas de recuperação e resiliência, o foco na requalificação do parque habitacional mais degradado parece-me uma óbvia. Uma prioridade que tem que ser aplicada com critérios de proximidade, envolvendo também as autarquias, e aplicando regulamentos transparentes, mas desburocratizados, para permitir um acesso de quem mais precisa à dignidade e ao conforto que não brota da ideia feita de que somos um País climaticamente ameno.

 

 

Comentários
Correio da Manhã
Diário do Sul
DN
Fazer Acontecer
Frontline
JN
Malha Larga
OJE
Visão
Visto do Alentejo
04 2021
03 2021
02 2021
01 2021
12 2020
11 2020
10 2020
09 2020
08 2020
07 2020
06 2020
05 2020
04 2020
03 2020
02 2020
01 2020
12 2019
11 2019
10 2019
09 2019
08 2019
07 2019
06 2019
05 2019
04 2019
03 2019
02 2019
01 2019
12 2018
11 2018
10 2018
09 2018
08 2018
07 2018
06 2018
05 2018
04 2018
03 2018
02 2018
01 2018
12 2017
11 2017
10 2017
09 2017
08 2017
07 2017
06 2017
05 2017
04 2017
03 2017
02 2017
01 2017
12 2016
11 2016
10 2016
09 2016
08 2016
07 2016
06 2016
05 2016
04 2016
03 2016
02 2016
01 2016
12 2015
11 2015
10 2015
09 2015
08 2015
07 2015
06 2015
05 2015
04 2015
03 2015
02 2015
01 2015
12 2014
11 2014
10 2014
09 2014
08 2014
07 2014
06 2014
05 2014
04 2014
03 2014
02 2014
01 2014
12 2013
11 2013
10 2013
09 2013
08 2013
07 2013
06 2013
05 2013
04 2013
03 2013
02 2013
01 2013
12 2012
11 2012
10 2012
09 2012
08 2012
07 2012
06 2012
05 2012
04 2012
03 2012
02 2012
01 2012
12 2011
11 2011
10 2011
09 2011
08 2011
07 2011
06 2011
05 2011
04 2011
03 2011
02 2011
01 2011
12 2010
11 2010
10 2010
09 2010
08 2010
07 2010
06 2010
05 2010
04 2010
03 2010
02 2010
01 2010
12 2009
11 2009
10 2009
09 2009
08 2009
07 2009
06 2009
05 2009
04 2009
03 2009
02 2009
01 2009
12 2008
11 2008
10 2008
09 2008
08 2008
07 2008
06 2008
RSS Feed